Achei Jesus


Ir ao conteúdo

Você já esteve no deserto?

Estava lendo o Salmo 91 e ao passar pelo versículo 11, fui levado a este texto em Mateus 4.1-11, e a considerar e meditar nos aspectos da tentação de Jesus.
Eis os ensinos que tirei para mim:

1° O crente vai ao deserto levado pelo Espírito Santo para ser provado, logo nunca queira ser um super-crente e ir para a provação por iniciativa própria,
2° se o crente é leva pelo Espírito, logo o crente não está só no deserto, ainda que a sensação seja de solidão, mas é necessário estar preparado, veja, antes da luta Jesus se consagrou, se preparou em oração e jejum,
3° e finalmente o crente vai ao deserto para lutar, não para descansar.

O crente deve esperar o ataque do inimigo no momento em que está mais fragilizado, fique atento às táticas empregadas pelo tentador:
1ª Tática, criar dúvida – Você tem certeza de que é salvo? Você tem certeza de que esta é a vontade de Deus?
Ainda usando esta tática, ele vai tentar usar prerrogativas dadas por Deus ao crente para serem usadas em nosso próprio benefício. Por exemplo: “Profetize para você mesmo e diga que você merece isto ou aquilo”, ou então “Diga que você não aceita esta situação, esta tribulação na sua vida, e ela vai passar”.
2ª Tática, criar dúvida torcendo a Palavra de Deus para ao invés de benção lhe trazer maldição: “Você é dizimista? Então
prove a Deus, exija que Ele abra a janela e te abençoe, pois a Bíblia ensina que você pode fazer prova de Deus”.
3ª Tática, trocar sua fé em Deus, sua esperança em Jesus por qualquer coisa deste mundo: “Me sirva que eu te darei fama, ou se entregue para mim e te darei poder e riqueza, ou ainda Faça um pacto comigo e te darei sucesso”.
Respostas bíblicas que assim como Jesus podemos dar, ao inimigo. Mas para isto temos que conhecer a Palavra de Deus, a Palavra tem que estar no nosso coração para que o Espírito possa usá-la:

1ª Resposta, Mateus 6.10 – “Venha o Teu reino, faça-se a Tua Vontade, assim na Terra como no Céu”.
2ª Resposta, Tiago 1.13 - “Ninguém, sendo tentado, diga: De Deus sou tentado; porque Deus não pode ser tentado pelo mal, e a ninguém tenta”.
3ª Resposta, Romanos 11.36 – “Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente”. Amém.

No deserto não tem plantas de bons frutos, o Sol é abrasador durante o dia, e à noite o frio é congelante. O deserto é a arena do inimigo, mas é ali que Deus mede nosso valor. Ou estamos firmes em Jesus, ou a máscara de crente piedoso cai. Nem precisa de 40 dias de tentação, às vezes basta uma semana, ou menos.
O deserto cansa, depois de alguns passos, caminhar se torna um desafio. A areia fofa engole o pé ou a pedras dura o machuca. Após algum tempo no deserto perde-se o sentido de orientação. Para onde irei? De onde eu vim?
Não tenho ouvido falar que alguém impulsionado pelo Espírito tenha ido ao deserto literalmente como Jesus foi, mas todo o crente é levado a trilhar um deserto virtual, tenha o aspecto que tiver, quer seja uma doença, um problema emocional, um conflito, etc ...
O fato é que ninguém quer ir para o deserto, não voluntariamente pelo menos, mas não podemos fugir. No deserto é medido o quanto da Palavra de Deus nós temos no coração. No deserto é testada nossa resistência espiritual e nosso compromisso com Deus. No deserto é aonde Deus vai estar mais próximo, isto se você permanecer firme e confiante Nele.
A boa notícia é que todo deserto tem um fim, e importa muito mais o jeito que saímos do deserto do que o jeito como entramos. Ou nossa fé estará mais forte, ou o que era apenas aparência ficou por lá mesmo. Na verdade alguns já saem do deserto com outro rumo definido, o rumo do mundo, da apostasia.
Quem entra no deserto e sai vitorioso, nunca sai do mesmo jeito, sai de lá com confiança em deus, com intimidade com Deus, com conhecimento de Deus, com autoridade de Deus.
Muitos entram no deserto achando que são alguma coisa, descobrem lá que não são nada, mas saem convictos de que para Deus eles tem grande valor.
Pare e pense nisto: Você tem um faqueiro de prata, prata legítima, mas o faqueiro está meio oxidado, Você pega um polidor próprio para usar na prata (quase sempre é um líquido cáustico) que corrói a oxidação, trazendo brilho ao valioso metal.
Pois bem, com Deus também é assim, todo salvo em Jesus Cristo, todo crente é valioso, mas no deserto ele adquire o brilho próprio dos filhos de Deus, brilho este que até os anjos ao olharem do Céu sabem que você é um filho de Deus.
Se você já esteve no deserto e saiu, e está firme com Jesus, tem experiência com Deus até para ensinar, então você é a “prata da casa”, na Casa de Deus.



O menor entre os servos do Senhor.



Sl. 95.8 Não endureçais os vossos corações, assim como na provocação e como no dia da tentação no deserto.



Voltar ao conteúdo | Voltar do menu principal